Escritosdoporto's Blog

Foi num dia de sol que eu deixei o Porto

Posted in Uncategorized by Andreza Pereira on março 2, 2011

Foi num dia de sol que eu deixei o Porto. Levando uma mala a mais que a bagagem permitida, deixando um ferro que não servia pra voltagem cuiabana, pensando em tudo o que coube numa cidade tão pequena.  O Porto comportou um sem número de minhas premières,ratificou as comidas que eu mais gosto, me trouxe línguas longínquas num mesmo vagão de metrô,a impressão de que o frio traz algum tipo de precisão no mover do corpo, inédito número de  diminutivos encadeados numa mesma frase ,uma língua subsistindo quase sem gerúndios, e amigos, bons amigos.

Sem escalas veio o Brasil e minha mãe linda me acenando na janela alta de vidro do aeroporto. Um lugar em que ninguém mais parava por alguns segundos pra entender o que eu estava dizendo. Onde as pessoas são tão diferentes entre si.  E em que recuperei a minha palidez ganha em um ano numa tarde de andar pelas calçadas.

Diga um verso bem bonito, dona Andreza, e sem adeus,sem adeus.

                                                         Sem Adeus, Porto. Bota no forno um pastel de nata pra mim.

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. luiz alfredo said, on março 3, 2011 at 1:41 am

    BOTA DOIS PASTEIS!

    que melancólica ode ao porto… bom, nem tão ode assim mas, melancolica certezão.

    Me deu até vontade de rolar uma lágrima aqui.

    Mas, assim é a vida. As vezes no porto, as vezes não. Né?

    ps: Pálida? Sério? -.-‘


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: